Captura de Tela 2018-02-07 às 00.46.13 High-res version

Salve, Carnaval – Salve, Teatro!

 
Se você pensa que o Carnaval significa “adeus, teatro”, você está muito enganado – o caldeirão de Dioniso ferve sem parar, mesmo sob a folia nossa de todo ano. Mas, veja lá, a fervura brota de múltiplos ingredientes, surge de várias direções.

 

Sabemos que o nosso palco não tem mais uma programação carnavalesca ou de Semana Santa, como antigamente. Nem bailes carnavalescos. Ainda que a maioria das peças tenha recesso, tem muita faina teatral ao seu dispor, para que você não se esqueça da danada da arte e não desapareça da vida da cena. Ou para que o teatro não saia da sua vida. A estante de livros segue próspera, não falta o que ler. E a oferta de cursos, oficinas, leituras é tanta que você corre o risco de ficar tonto, mesmo se deixar as garrafas cheias.

 

Sim, muita água vai rolar. Além das peças estreadas este ano, de saída você pode comprar ingressos para peças muito cotadas que estão de volta ao cartaz. Uma lista breve inclui uma diversidade de títulos admirável, atestado da vitalidade do teatro carioca. As novidades vão de Grande Sertão: Veredas, a volta de Bia Lessa à direção, ao espetáculo Eri Pinta Johnson Borda dedicado à arte tradicional do ator performer brasileiro.

 

Mas, calma – não é só isto, há muito mais no horizonte de promessas que cerca a folia. Uma montagem preciosa, importante artesanato dedicado aos grandes problemas da linguagem teatral do nosso tempo, O Tempo É Só uma Questão de Cor, esteve em cartaz no ano passado na remota Cidade da Arte, ainda um lugar rural perdido do coração metropolitano. Pois agora, a partir do dia 23 de fevereiro, ela estará logo ali, num dos pontos de referência teatral da zona sul, o Teatro Café Pequeno, no Leblon.

 

O espetáculo é uma engenhosa incursão no universo da sensibilidade contemporânea. A partir de textos literários de Caio Fernando Abreu, mantidos na sua forma original, o diretor Antonio Gilberto concebeu uma cena que transita do lírico ao dramático com extrema elegância, para falar, com voz forte, da nossa solidão universal hoje – seres emancipados e sozinhos, entregues a si, tristemente. A inteligência cênica é cristalina, o seu objetivo é a mais pura emoção.

 

Numa cena que parte da sugestão de viagem, partida, Mauricio Silveira apresenta, num solo de requintada tessitura, o que se deve chamar de interpretação inteligente – a partir da razão, imerso na recusa de se mostrar enquanto materialidade humana trivial, ele caminha com doçura para o sentimento pleno, a exposição solar da alma, até chegar à contracena com o público. Há uma espiral de afeto que nos leva, na plateia, a uma profunda vertigem sentimental.

 

Tudo se faz com extrema delicadeza, fina percepção do outro, indicação singela de que mais vale na vida o bem querer e o bem sentir, como Caio queria demonstrar. CQD, digamos. Cenografia, figurinos, iluminação e trilha sonora formam um conjunto expressivo harmônico, afinados no mesmo conceito. A equação cênica é sublime e, portanto, é imperdível. Como o teatro é pequeno, vale tratar de comprar logo os ingressos. E mais: durante o Carnaval você pode aproveitar e ler Caio Fernando Abreu, para tornar mais intensa a relação com a montagem.

 

No entanto, se a sua preferencia for por um teatro no Centro, a boa nova é a inauguração de mais uma temporada, no Teatro Dulcina, do premiado espetáculo Gritos, da Cia Dos à Deux. Durante o Carnaval, a peça não será apresentada, mas as apresentações iniciadas no dia 2 de fevereiro acontecerão até o dia 11 de março.

 

Aqui, vale também a compra com antecedência, pois a linha de trabalho apresentada pela cia alcança muito sucesso junto ao público mais jovem e mais inquieto. A nota da equipe é uma outra vertente do teatro contemporâneo, praticamente oposta – a transformação da ação dramática em cena gestual, pesquisa que André Curti e Artur Luanda Ribeiro costumam denominar como poema gestual.

 

Apesar do Carnaval, a festa da carne, e do teatro, a poesia no corpo, está sobrando pensamento por toda a parte, logo se vê. Se a sua preocupação reside em parte neste dilema – ter passo e compasso para lidar com as formas de pensar e de criar hoje num mundo cheio de arte, a época é propícia também para fazer a sua inscrição, com descontos carnavalescos, nos cursos sempre ótimos da Casa do Saber. A compra nesta semana de cursos com início nos dias 20 e 23 do mês assegura um desconto de 25%.

 

E quais são os cursos em foco? Vale consultar a lista no site, mas registre-se logo aqui uma linha de opções. Para a turma que ama teatro, a liberdade de pensamento é essencial, o que torna alguns cursos destaques tão impactantes como as velhas fantasias de luxo de Clovis Bornay, campeão histórico dos carnavais carioca. Assim, há um curso sobre o extermínio nazista, outro dedicado à ética e ao corpo sem órgãos, sem que se fale na estrelar Amália Rodrigues, talento lusitano excepcional que Bibi Ferreira homenageou em espetáculo.

 

Por sinal, intelecto e teatro também caminham juntos num projeto arrojado, precioso, do Laboratório VISGRAF, do Instituto de Matemática Pura e Aplicada. Antes de visitar, é necessário preparar o coração, pois a trama de invenção é de tal ordem que seria capaz de deixar Shakespeare alucinado. Shakespeare? Sim, ele próprio – o website é The Tempest, exatamente. O que eles puseram online é um experimento teatral e cinematográfico, algo muito arrojado, com tecnologias de jogos e de realidade virtual. O ponto de partida é a peça homônima de William Shakespeare.

 

Quer dizer, a chance é a de acenar com um teatro virtual, um teatro que não depende de edifício-teatro e pode acontecer de outra forma, em outro tempo. Carnavalizou as ideias? O website apresenta conteúdo sobre pesquisa e desenvolvimento tecnológico necessários para a criação da plataforma VR Kino+Theater, ao lado de informações, mídias e outras referências sobre o processo criativo de montagem e encenação do experimento. Há, ao mesmo tempo, espetáculo em realidade virtual e cinema ao vivo.

 

Uma equipe de especialistas atuou na concepção do projeto, profissionais de artes cênicas, designers e cientistas da computação. O objetivo é ousado, de alcance multidisciplinar – explorar formas novas de expressão, no campo das novas mídias de entretenimento. Para conhecer o trabalho desenvolvido, opinar, criticar e comentar, basta visitar o blog https://www.visgraf.impa.br/tempest/ – uma opção para brincar o carnaval na tela sob as ordens do teatro do futuro. Ou do presente que futuro deseja ser.

 

Mas se o seu caso de amor com a cena não é tão arrojado, se você deseja apenas revelar os seus dotes como dramaturgo, aproveite o Carnaval para inscrever o seu texto – ou os seus textos – no concurso de dramaturgia mais inventivo que temos no momento, ainda que, no momento, os concursos de dramaturgia escasseiem… É a 8ª edição do Seleção Brasil em Cena, do Centro Cultural Banco do Brasil, cujas inscrições foram prorrogadas até o dia 28 de fevereiro.

 

O toque moderno também aparece aqui, pois todo o processo de inscrição é feito através do site do projeto – www.selecaobrasilemcena.com.br. Lá estão disponíveis o regulamento e as informações sobre as edições anteriores. Dramaturgos de todo o país podem enviar os seus textos, desde que inéditos – os vencedores se beneficiam do projeto de exposição pública das peças e o vencedor final ganha a encenação da obra.

 

Para quem não teme se deslocar para São Paulo, um outro anúncio tem outro alcance – estão abertas as inscrições para as Ações Pedagógicas da quinta edição da MITsp. A mostra vai acontecer em São Paulo, entre os dias 1 a 11 de março de 2018. O painel de oportunidades abrange sintonia com as artes cênicas de hoje, no seu recorte mais avançado, inventivo. Vale conferir no site http://mitsp.org

 

Estão por lá, para a inscrição dos interessados, a residência com a encenadora alemã Susanne Kennedy, os workshops com a dramaturga sueca Liv Elf Karlén, o trabalho com os cenógrafos brasileiros Aby Cohen & Renato Bolelli, a oficina com a artista e produtora croata, radicada na Espanha, Iva Horvat, e com a artista argentina Lola Arias. As atividades são gratuitas.

 

Finalmente, você pode aproveitar o Carnaval para, depois que o Carnaval passar, apresentar o seu espetáculo em teatros do SESI. Até o dia 5 de março, estarão abertas as inscrições para o SESI Cultural 2018, também na internet – para realizar a inscrição do seu projeto, basta ir à página SESI CULTURAL.

 

As informações detalhadas estão bem explicadinhas na página – mas vale ressaltar que as inscrições são para teatro adulto e infantil não inéditos. E que as temporadas serão realizadas nos teatros SESI de Jacarepaguá, Caxias, Macaé, Campos e Itaperuna, nos meses de agosto, setembro e outubro de 2018 e abril, maio e junho de 2019.

 

Esta amostra das atividades possíveis é bem pequena, mas atesta que, mesmo se você quiser ficar recolhido, quieto em casa, o bloco do teatro estará em atividade, a todo o vapor, esperando por você em alguma esquina da vida. Ou escaninho. Ele vai te buscar.

 

Isto significa que, a rigor, o teatro não para. Além de manter um movimento permanente, ele se reinventa sem cessar. Portanto, ele muda e convida os seus amantes a mudar também. A hora da folia é um momento oportuno para sintonizar com todo este universo pulsante da cena que nos rodeia. Afinal, o teatro integra a alma humana. Assim como o Carnaval, ele não vai acabar nunca, mesmo que alguns sacerdotes das trevas queiram ver, dos dois, o fim.